Perfil do Jornal

【Perfil do Jornal Nikkey Shimbun/ Jornal Nippak】

O Jornal Nikkey Shimbun com sede na cidade de São Paulo (Diretor Presidente Raul Takaki) é um jornal que publica, em média, 8 páginas de notícias em língua japonesa com uma periodicidade de cinco vezes semanais. A tiragem nominal é de 10 mil exemplares. Existem cerca de mil assinantes do jornal em formato PDF no Site da Internet e 2 mil assinantes pagantes que acessam o conteúdo pago do Site. Na sede, cerca de 15 pessoas trabalham na redação em japonês sendo que, se incluir o pessoal da distribuição, totalizam 35 colaboradores. O jornal possui uma sucursal no Japão (presidente Nobuo Koshiishi).

#Jornal Nikkey Shimbun
Rua da Glória, 332 CEP: 01510-000 Liberdade, São Paulo – SP BRASIL
Tel: (11) 3340-6060 Fax: (11) 3341-6476 E-mail: redacao@nikkeyshimbun.jp
https://www.nikkeyshimbun.jp
https://www.facebook.com/nikkey.shimbun
https://twitter.com/BrasilNikkey

 

【Leitores】

Os principais leitores da versão impressa do jornal são os imigrantes japoneses e os expatriados. A tiragem nominal é de 10 mil exemplares.

O Site do jornal (https://www.nikkeyshimbun.jp) alcança uma média de 10 mil acessos por dia e a página do facebook (https://www.facebook.com/Nippak.Nikkey) possui cerca de 4 mil seguidores (dados de junho de 2018).

Cerca de 80% das pessoas que acessam as matérias em língua japonesa são japoneses do Japão. São pessoas que têm algum negócio com o Brasil, leitores que se interessam pelo país, investidores financeiros, pesquisadores sobre o Brasil, burocratas do Governo que trabalham em repartições ligadas ao Brasil dentro do Ministério das Relações Exteriores ou do Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão, além de funcionários públicos das seções de intercâmbio internacional de províncias e municípios.

Os 20% restantes são leitores de empresas japonesas atuantes no Brasil e imigrantes do pós-guerra. As publicações, matérias e anúncios na versão impressa e no Site do jornal possuem visibilidade para a maioria dos japoneses residentes no Brasil ou dos interessados que moram no Japão.

 

【A História do Jornal Nikkey Shimbun/ Jornal Nippak】

O auge da tensão política entre o Brasil e o Japão foi durante a Segunda Guerra Mundial. A Ditadura Vargas de antes e durante a guerra extinguiu os jornais de língua japonesa, fechou escolas japonesas, proibiu o uso da língua em locais públicos e despejou a força os moradores de áreas consideradas estratégicas. Os cerca de 250 mil japoneses e descendentes enfrentaram um período de guerra desolado diante da forte pressão social.

Os principais membros que publicaram o jornal antecessor, o Paulista Shimbun (Jornal Paulista), também trabalharam no Nippak Shimbun (Jornal Nipo-brasileiro), jornal de antes da guerra, lançado em agosto de 1916. O diretor do Nippak Shimbun, Sack (Saku) Miura, foi uma figura polêmica que ganhou muitos inimigos dentro da sociedade nikkei por causa de suas críticas ferozes sem papas na língua. Em diversas ocasiões, seus desafetos tentaram deportá-lo do Brasil. Em maio de 1939, o órgão competente do Brasil suspendeu o jornal, fechou a redação. Em julho do mesmo ano, o próprio Sack Miura foi expulso do Brasil e voltou ao Japão. No entanto, as críticas contra o Governo chamaram a atenção da polícia política japonesa e o jornalista foi detido várias vezes. Em maio de 1945, ele foi novamente detido e mais tarde, em 10 de outubro, foi libertado por ordem do comando de direitos humanos do CHQ (Quartel General do Comandante Supremo das Potências Aliadas). Mas a prisão havia comprometido sua saúde e faleceu tempos depois.

Em 1946, a Constituição Brasileira garantiu a liberdade de publicar jornais em língua estrangeira e em janeiro de 1947 o jornal voltou com o nome de Paulista Shimbun (Jornal Paulista). Nessa época, a sociedade nikkei estava envolvida em um caos sem precedentes devido ao conflito vitorista-derrotista. A comunidade se dividiu em duas e sangrentos incidentes terroristas tiraram a vida de 20 companheiros. Foi nesse contexto que pessoas voluntariosas preocupadas com o futuro da comunidade e tendo a convicção de que somente a transmissão correta da informação poderia apaziguar a situação, se uniram para fundar um jornal e tomar a dianteira dos “conscientizados”. Foi assim que surgiu o Paulista Shimbun. Em janeiro de 1949, um ramo se destacou deste grupo inicial e fundou o Nippaku Mainichi Shimbun (Diário Nippak).

Dizem que a sociedade nikkei centrada nos imigrantes isseis (de primeira geração) conheceu o auge na década de 1970. Depois veio o envelhecimento gradual dessa geração e a redução no número de leitores em língua japonesa. Fenômeno esse, que foi potencializado pelo movimento decasségui da metade da década de 1980. Foi por isso que em março de 1998 os dois jornais, o Paulista Shimbun e o Nippaku Mainichi Shimbun se fundiram e mudaram de nome para “Jornal Nikkey”.

O jornal semanal em língua portuguesa que nasceu em 2000 foi o “Jornal Nippak”(https://www.nippak.jp). Este último herdou o nome do jornal de antes da guerra.

#Jornal Nippak
Rua da Glória, 332 CEP: 01510-000 Liberdade, São Paulo – SP BRASIL
Tel: (11) 3340-6060 Fax: (11) 3341-6476 E-mail: redacao@nippak.jp
https://www.nippak.jp
https://www.facebook.com/JNippak