Hokkaido apresenta novo programa de bolsas de estudo para cuidadores estrangeiros de idosos

Grupo visitou a redação para apresentar o programa - Nikkey Shimbun
Grupo visitou a redação para apresentar o programa – Nikkey Shimbun

O envelhecimento da população e a baixa natalidade no Japão tem agravado a falta de cuidadores de idosos no país. É nesse cenário que a cidade de Higashikawa, distrito de Kamikawa, na província de Hokkaido, introduz um novo programa de bolsas de estudo voltado aos estudantes estrangeiros interessados na profissão. Se depois do curso profissionalizante de dois anos, o estudante trabalhar cinco anos em uma instituição de cuidados indicada, o profissional estará dispensado de devolver o valor da bolsa integralmente. A condição é possuir proficiência de língua japonesa equivalente a N2 ou superior, independente da nacionalidade ou da idade do candidato. Porém, mesmo aqueles que, no início do programa, apresentarem nível N3 ou N4, podem passar para o curso de cuidadores depois de estudar um ano de japonês recebendo o dinheiro da bolsa. É um regime vantajoso para os estrangeiros, pois a prefeitura será responsável por dar suporte, dispensando integralmente a mensalidade da escola e os custos de estadia no país por, no máximo, três anos.
A cidade de Higashikawa, conhecida como “Cidade das Fotografias” devido à sua natureza deslumbrante, é vizinha de Asahikawa e possui uma população de cerca de 8300 habitantes. Em 2014, a cidade, que já vinha incentivando a vinda de estudantes estrangeiros como medida contra as questões relacionadas ao envelhecimento e da baixa natalidade do país, abriu um curso de língua japonesa na Escola Técnica de Assistência Social Asahi dentro da Academia Hokko. A cidade tem tomado medidas inovadoras, como por exemplo, a inauguração, em 2015, da Escola de Língua Japonesa de Higashikawa, a primeira escola pública de língua japonesa do Japão. Atualmente, cerca de 4% da população da cidade tem origem estrangeira.
Com a reforma legislativa de 2016, a categoria de “cuidadores” foi adicionada aos vistos de permanência do Japão e agora admite a entrada de estudantes que venham ao país com o objetivo de obter o certificado nacional de cuidador de idosos. Por influência desta lei, a cidade, em colaboração com outras cidades e vilas das proximidades, tem buscado implantar um sistema de bolsa de estudos sem necessidade de devolução para estudantes estrangeiros de cuidados de idosos.

Condições – O alvo deste sistema são os estudantes bolsistas da Academia Hokko. A condição é que tenha proficiência de língua japonesa de nível N2 ou superior, independentemente da idade ou nacionalidade do candidato. Dois milhões e quinhentos mil ienes anuais serão fornecidos para cobrir gastos com aula e moradia, tendo dois anos de prazo para a obtenção do certificado de qualificação exigida pelo país. O visto de estudante permite que os estudantes trabalhem enquanto estudam, podendo dedicar até 28 horas semanais em serviços temporários.
Porém, outra condição é trabalhar posteriormente durante cinco anos em uma instituição de auxílio ao idoso indicado pelo programa. Parece duro, mas o candidato terá direito ao mesmo salário dos funcionários japoneses (cerca de 2,80 milhões a 3 milhões de ienes anuais). O dinheiro recebido, no entanto, terá de ser devolvido caso o estudante seja desligado da escola ou deixe o serviço antes do prazo previsto. O período máximo de estadia no país como cuidador é de cinco anos, porém o visto pode ser renovado.
Além disso, é possível continuar a trabalhar até 2022, mesmo sem ter obtido a certidão de qualificação japonesa. O regime está em fase de transição e, dizem que a certidão poderá ser obtida automaticamente se trabalhar durante cinco anos.
Caso possua o nível 3 ou 4 de proficiência da língua japonesa e tenha potencial para ser aprovado no curso de cuidadores em um ano, o candidato terá a oportunidade de cursar a língua na própria escola. As aulas e a moradia durante este período também serão integralmente arcadas pela bolsa de estudos do programa. O serviço durante cinco anos em uma instituição indicada pelo programa dispensa a devolução dos valores, inclusive da bolsa de estudos do período em que fizer o curso de cuidadores.

Outros cursos – A Academia está se preparando para também oferecer outros cursos de língua japonesa com duração de 1 ano e meio ou 2 anos. Dependendo do nível de japonês do aluno, descontos de 50 a 100% poderão ser oferecidos para as aulas, além de descontos de 50% para os custos de alojamento. Quem tiver nível N5 pode entrar para o curso de cuidadores depois de finalizar o curso de línguas. É uma medida que beneficia até mesmo os estudantes estrangeiros de língua japonesa que não vieram ao país com a intenção de fazer o curso de cuidadores.
O vice-prefeito Naoki Ichikawa, que veio até o jornal para apresentar o novo regime, disse, convicto, que “estamos em uma época em que o estrangeiro precisa fazer escolhas difíceis para escolher onde quer trabalhar”. “O regime que propusemos permite que o interessado seja capacitado como cuidador antes de trabalhar, além de receberem o apoio das prefeituras para isso””, destacou, acrescentando que “para viver no Japão, é preciso conhecer os costumes e a cultura daqui, além de falar o japonês”. “Nesse ponto, acredito que os nikkeis estão em vantagem. Alguns estudantes mostram bastante força de vontade de aprender a técnica evoluída de cuidado de idosos do Japão, podendo voltar ao país de origem para aplicar o conhecimento adquirido”, explicoun Ichikawa.
Segundo o secretário-geral da Academia, Shigeru Hirato, existem atualmente cerca de 180 estudantes estrangeiros, que podem optar por permanecer no Japão como especialistas, assim como levar a experiência adquirida no Japão para aplicar no Brasil. “Espero que tenham diversos caminhos à disposição para escolherem”, disse.
Para mais informações, entrar em contato com o vice-presidente da Associação Hokkaido de Cultura e Assistência, Mitsuo Baba. (11/99940-2313 ou pelo e-mail: sp-mbaba@yahoo.co.jp).

Comentários
Loading...