Walter Ihoshi coloca Gabinete à disposição da comunidade nikkei e anuncia voto em Bolsonaro e Doria

Em Indaiatuba, Ihoshi foi recebido por Anesio Kimura, Massao Kanesaki, Edvaldo Nunes e Takashi Uyeno (divulgação)
Em Indaiatuba, Ihoshi foi recebido por Anesio Kimura, Massao Kanesaki, Edvaldo Nunes e Takashi Uyeno (divulgação)

Em visita de agradecimento ao Jornal Nippak, o deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP) colocou seu Gabinete à disposição da comunidade até o término de seu mandato, no dia 31 de dezembro. “E como sempre fiz, vou retornar a todos os locais de votação, como estou fazendo agora, para manifestar minha gratidão pelos 66.428 votos recebidos”, disse o parlamentar, que neste feriado de 12 de outubro visitou o Indaiatuba Matsuri Japan Festival, em Indaiatuba. Acompanhado do parlamentar Massah Fujimoto, Ihoshi foi recebido pelo presidente da Acenbi, Anésio Kimura, pelo vereador Massao Kanesaki, por Edvaldo Nunes e Takashi Uyeno.
Nesta segunda-feira, 15, o deputado esteve em Marília, cidade que o acolheu há 15 anos e onde tem residência fixa. Ihoshi, que buscava seu quarto mandato, disse que um fator determinante nessa eleição foi a “onda Bolsonaro”. “Nossa expectativa era fazermos de 25 a 30 cadeiras, mas acabamos fazendo apenas 17, bem aquém do planejado”, explicou o parlamentar, lembrando que, se a meta tivesse sido atingida, “estaria eleito na 24ª posição da coligação formada por PSDB-PSD-DEM-PP”.
Como já dissera ao Jornal Nippak, Walter Ihoshi voltou a afirmar que essa eleição foi marcada também pelas redes sociais. “Mesmo nossas ações não foram suficientes para fazer frente a esses candidatos que se apresentaram nas redes sociais”, destaca Ihoshi, que reconhece também, que “boa parte dos eleitores exigiu mudanças”.

Comunidade nikkei perde um dos principais defensores em Brasília (Aldo Shiguti)
Comunidade nikkei perde um dos principais defensores em Brasília (Aldo Shiguti)

Futuro – Um dos principais defensores dos assuntos da comunidade nikkei em Brasília, em especial na relação Brasil-Japão, Ihoshi destaca que “tanto o jeito tradicional de se fazer política como os políticos tradicionais sofreram um revés. E, no meio, estavam os políticos nikkeis, que acabaram ficando fora”, analisou o deputado, acrescentando que no segundo turno apoiará João Doria, do PSDB, ao Governo do Estado de São Paulo, e Jair Bolsonaro, do PSL, à Presidência da República.
“Apesar de o PSD decidir pela neutralidade na disputa presidencial, meu voto será em ‘BolsoDoria’”, afirmou o parlamentar, explicando que no último dia 11 teve uma reunião com Doria.
Sobre o futuro, Ihoshi disse que pretende aguardar o desfecho do segundo turno para se posicionar. Adiantou, no entanto, que uma experiência acentuada e um relacionamento de três mandatos “a gente não quer e não pode deixar se perder”.

Comentários
Loading...