No Japão, presidente do Senado é recebido pelo imperador e defende maior integração com o Brasil

Senador Eunício Oliveira foi recebido pelo imperador Akihito no Palácio Imperial (Alex Santos - Presidência do Senado)
Senador Eunício Oliveira foi recebido pelo imperador Akihito no Palácio Imperial (Alex Santos – Presidência do Senado)

Em audiência no Palácio Imperial do Japão, em Tóquio, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, foi recebido pelo imperador Akihito, iniciando os trabalhos desta segunda-feira (16). Eles conversaram sobre a amizade entre os dois povos e a necessidade de aumentar a integração entre Brasil e Japão.
O incremento das relações bilaterais, principalmente na economia, ainda foi defendido pelo presidente do Senado em reunião na sede da Federação das Indústrias do Japão (Keidanren). Eunício conversou com o presidente da Keidanren, Masami Iijima, e falou para uma plateia de 30 empresários japoneses representantes das maiores multinacionais do país. No foco do encontro, a recuperação da economia brasileira.
“Em 2015 e 2016, o Brasil enfrentou uma forte recessão, que felizmente já ficou para trás. E esta é a boa notícia que me traz aqui hoje. Em 2017, o Brasil retomou a trajetória de crescimento econômico: o PIB evoluiu 1% no ano passado, e as projeções indicam um crescimento próximo de 3% neste ano, e outros 3% em 2019 “, disse o presidente do Senado.
De acordo com Eunício, a melhora dos indicadores econômicos é reflexo do ajuste fiscal que vem sendo produzido no Brasil, onde o déficit governamental está controlado, e a taxa básica de juros, que inibia a cadeia produtiva, está em seu mais baixo patamar histórico. Entre as ações para retomada do desenvolvimento, o presidente destacou que o Congresso Nacional aprovou uma série de medidas microeconômicas, como a reforma trabalhista, o limite dos gastos públicos e a nova política de juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
“Os efeitos já se fazem sentir: cresceu a massa de rendimentos, aumentou o consumo das famílias e melhoraram os indicadores de confiança dos empresários e dos consumidores. Tudo isso sem impactos inflacionários. A inflação oficial de 2017 ficou em 2,95%, menor valor desde 1998”, informou.
Ao traçar um quadro de que a recessão está “superada” e a economia “destravada”, o presidente do Senado convidou os empresários japoneses a investirem no Brasil como uma excelente oportunidade de negócios.
“O Brasil se assenta sobre uma plataforma extraordinária de recursos naturais, tem um gigantesco mercado interno, e um potencial incomparável de sucesso entre os países em desenvolvimento. Como não perceber as potencialidades de um país em que a idade média dos brasileiros é de cerca de 29 anos, e onde há, hoje, mais de 105 milhões de pessoas economicamente ativas”, argumentou.

Laços – Eunício Oliveira terminou o discurso confiante na parceria, lembrando os 110 anos da imigração japonesa em solo brasileiro, comemorados neste ano. O Brasil tem a maior comunidade nikkei do mundo, com quase dois milhões de nipo-brasileiros. Cerca de 180 mil brasileiros vivem no Japão.
“Nossos laços são profundos e duradouros. Para muitos japoneses, o Brasil é um segundo Japão; para muitos brasileiros, o Japão é um segundo Brasil. Que saibamos, pois, aprofundar e intensificar os vínculos entre nossos países”, conclamou.
O presidente do Senado está em visita ao Japão até esta sexta-feira (20) a convite do governo daquele país, acompanhado dos senadores Jorge Viana (PT-AC) e Antonio Anastasia (PSDB-MG). É a primeira vez que uma comitiva de senadores brasileiros participa do programa de intercâmbio entre legislativos, promovido pela Câmara de Conselheiros nipônica.
Da Assessoria de Imprensa da Presidência do Senado

Comentários
Loading...