Filho do fundador, Masatoshi Hasegawa celebra missa do 60º aniversário da Kodomo-no-Sono

Missa comemorativa do 60º aniversário foi conduzida pelo filho do fundador, Massatoshi Hasegawa (Jiro Mochizuki)
Missa comemorativa do 60º aniversário foi conduzida pelo filho do fundador, Massatoshi Hasegawa (Jiro Mochizuki)
Masatoshi Hasegawa (Jiro Mochizuki)
Masatoshi Hasegawa (Jiro Mochizuki)

As comemorações do 60º Aniversário de fundação da Associação Pró-Excepcionais Kodomo-no-Sono teve como ponto alto a missa budista celebrada por Masatoshi Hasegawa, filho do fundador da instituição, professor Ryoshin Hasegawa. Realizada no último dia 23, a solenidade contou ainda com a presença do cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi; do secretário Municipal da Pessoa com Deficência, Cid Torquato; do deputado estadual Hélio Nishimoto (PSDB); do presidente da Enkyo (Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo), Akeo Yogui; do vice-presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Roberto Nishio e do prefeito Regional de Itaquera, Jamil Yatim, além de representantes e dirigentes de entidades irmãs.
Do Japão, além de Masatoshi Hasegawa – que é diretor presidente do Complexo Educacional Shukutoku – , a comitiva foi integrada por sua irmã Etsuko Kikuchi (diretora da Escola Mahayana), Sadao Sakata (do Rotary Club de Tóquio) e sua esposa, Tomiko Sakata; Mina Yonemura; Takefumi Nomura , Kiyoshi Shimizu e Kazuyo Hasegawa.

Mário Ikeda, cônsul, José Taniguti e André Korosue (Jiro Mochizuki)
Mário Ikeda, cônsul, José Taniguti e André Korosue (Jiro Mochizuki)

Em sua mensagem, Massatoshi Hasegawa falou sobre a honra de poder ter conduzido a missa comemorativa dos 60 anos em memória de todos os falecidos que trabalharam para que que a Kodomo-no-Sono pudesse chegar aos dias de hoje. Ele congratulou, “do fundo do coração”, o atual presidente da entidade, André Korosue, o presidente da Comissão dos 60º Aniversário, José Taniguti, e demais diretores, funcionários, voluntários e colaboradores.
Usando como exemplo uma expressão japonesa, Masatoshi comparou a Kodomo-no-Sono a uma bela flor. “Se você consegue apreciar a flor que floresce tão bela, também é capaz de enxergar a raiz que a faz florescer tão bela. Desta forma é nossa entidade, uma bela flor que apreciamos e que nos faz lembrar os princípios que a fizeram estabelecer e agradecermos pela história que foi construída aos longo dos anos para que pudéssemos chegar até aqui”, disse Masatoshi, explicando que, no pensamentro budista, passado, presente e futuro não são categorias distintas. “Na linha do tempo, um está condicionado ao outro”, destacou ele, que citou ainda uma passagem em sua infância quando foi questionado por um professor sobre o que viria depois que o gelo derrete.

Junto com eles – “No Japão, considerando que é muito frio, depois do inverno vem a primavera. É assim que a vida segue, ou seja, precisamos saber o que teremos lá na frente. Devemos seguir a vida com convicção e otimismo, mas sempre para a frente”. E pediu a todos para que continuem buscando a perfeição não só através da educação, mas também da educação movidos pelo espírito fraternal do lema da Kodomo-no-Sono: “Não para eles e sim, junto com eles!”,
Após a missa, os convidados participaram da cerimônia comemorativa com direito a bolo e o tradicional kagami biraki. A cantora Mariko Nakahira, que há 15 anos mantém laços afetivos com a entidade, abrilhantou ainda mais a festa com a participação dos internos.

Internos participam do corte do bolo (Jiro Mochizuki)
Internos participam do corte do bolo (Jiro Mochizuki)

Solidariedade – Ao Jornal Nippak, o secretário Municipal da Pessoa com Deficência, Cid Torquato, explicou que “a Kodomo-no-sono é uma referencia na área de pessoas com deficiência tanto pelo tratamento que é oferecido e por sua filosofia como, principalmente, pelo espaço físico, isto é, a área que dispõem para cuidar de seus jovens”. “Queria levar esse exemplo para outras instituições desta natureza na cidade de São Paulo”, afirmou o secretário, lembrando que a Kodomo-no-Sono iniciou suas atividades numa época em que “deficiência ainda era um tabu”. “As pessoas eram escondidas para que ficasse longe dos olhos do público. A Kodomo-no-Sono, pelo trabalho social que desenvolve, faz justamente o contrário, ou seja, aproxima os internos da sociedade ao promover constantes atividades sociais”.
Segundo o secretário, “a gente tem muito que aprender com o Japão”. “Preservar a cultura japonesa no Brasil é enriquecer a cultura brasileira”, finalizou Torquato.

Emoção – Em seu pronunciamento, Massatoshi Hasegawa reforçou a honra de ter celebrado a cerimônia religiosa pelos 60 anos da entidade. “Na minha infância escutei muito meu irmão, Yoshiaki, que esteve aqui coim meu pai logo no início das atividades, falar a respeito de sua vinda aqui na Kodomo-no-Sono. Ele sempre considerou o Jardim das Crianças da Kodomo-no-Sono seu segundo lar e hoje fiquei emocionado ao observar a felicidade no rosto de cada um dos internos”.

Cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi (Jiro Mochizuki)
Cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi (Jiro Mochizuki)

O cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi, também reiterou mais uma vez sua admiração pelo trabalho da Kodomo-no-Sono, “muito importante, de receber não só nikkeis mas também brasileiros, promovendo assim uma maior integração com a sociedade brasileira”.
E destacou ainda o seu respeito pelo empenho da Diretoria, funcionários e voluntários para arrecadar recursos que garantam a sustentabilidade da entidade. “Esse empenho em atender pessoas com dificuldades mostra a gentileza do povo japonês e como cônsul estou muito orgulhoso desses esforços”, afirmou, acrescentando que o Consulado pretende contiuar apoiando as ações da Kodomo-no-Sono.

Gratidão – Muito feliz e agradecido no final da festa, André Korosue disse à reportagem do Nippak que “foi mais do que esperava”. “Ter a presença de dois filhos do nosso fundador e a missa sendo conduzida por Masatoshi Hasegawa, me deixa sem palavras. Foi uma cerimônia religiosa nunca antes vista na nossa entidade”, afirmou ele, acrescentando que é uma honra presidir a entidade numa data tão marcante.

Entidade conta hoje com 71 internos com idade média de 53 anos (Jiro Mochizuki)
Entidade conta hoje com 71 internos com idade média de 53 anos (Jiro Mochizuki)

Respeito – “Apareceu uma pessoa para dizer que não é para eles e sim, junto com eles que nós precisamos trabalhar para que eles possam realmente se sentir valorizados como ser humanos. E foi isso que aconteceu nesses 60 anos. Graças a ajuda de todos aqueles que contribuíram com essa filosofia e trabalharam para isso foi possível a Kodomo-no-sono chegar até os dias de hoje”, disse Korosue, explicando que “o mais importante, acima de tudo, é sempre lembrar daqueles que passaram por aqui, daqueles que deram sua grande contribuição para que a Kodomo-No-Sono tivesse esse respeito que nós temos hoje na comunidade”.

Comentários
Loading...