ERIKA TAMURA: Seminário em Shimane

Nesse último fim de semana, organizei, pela entidade que eu trabalho, um seminário de dois dias na província de Shimane.
O tema: Educação das crianças brasileiras no Japão.
Um tema que chega a ser exaustivo de tanto que já foi explorado, mas que infelizmente, sempre volta `a pauta, por ser de suma importância e considero como estopim de todos os problemas que a comunidade enfrenta no Japão.
Quando soube dos problemas que as crianças brasileiras enfrentam em Shimane para se adaptarem `a escola japonesa, pensei: Não é possível que vou ter que voltar ao tema sobre educação! Pois enfim, é inacreditável, mas é verdade.
Foram dois dias de seminário, no primeiro dia, a palestra foi voltada para os professores japoneses da rede de ensino. Saber um pouco sobre a cultura brasileira, e entender um pouco como lidar com os brasileiros, ainda é um grande desafio. A palestra foi ministrada pelo professor Saito, japonês que dá aula para uma escola primária pública japonesa.
Saito é professor da classe internacional da escola. Apaixonado pelo Brasil, já morou em São Paulo, e fala português muito bem. O professor, criou métodos de ensino próprios para poder motivar as crianças brasileiras que frequentam as escolas japonesas.E o fato do professor falar em português com os alunos brasileiros, na frente dos outros alunos japoneses, cria um respeito pelos brasileiros, e assim há a inibição para o bullying. Por sua vez, os alunos brasileiros, sentem-se confiantes e seguros, tornando o ambiente escolar muito favorável para o desenvolvimento pedagógico.
E foi essa experiência, que Saito relatou em sua palestra em Shimane. Mostrando que não há a necessidade de desespero e nem imposição do poder para que haja um elo de aprendizado.
No segundo dia, o seminário foi voltado para os pais. Guardem essa informação que volto a comentar sobre isso.
A psicóloga da NPO SABJA, Dra Mayra Kurade, falou sobre a educação para a vida, mas um ponto que chamou a atenção e tem que ser exaustivamente falado é o abandono. Abandono pode ser uma palavra forte, mas tem que ser impactante mesmo, pois a situação exige.
O abandono, a que a doutora se refere, é um sentido figurado para a falta de atenção dos pais. Ainda mais aqui no Japão, onde a carga horária de trabalho é puxada, o tempo que se passa com os filhos acaba sendo prejudicado.
O presidente da NPO SABJA, foi o segundo palestrante, onde ele discorreu sobre as oportunidades que a vida nos oferece e que precisamos estar preparados para agarrá-las. Por fim, comentou sobre bolsa de estudos nas instituições japonesas, para deixar bem claro que, o fator financeiro não pode ser empecilho para a criança ou o jovem parar de estudar.
Na parte da tarde, o palestrante foi Diego Utiyama, brasileiro, empresário em Tóquio e como pode servir como parâmetro dentro da comunidade brasileira.
Diego veio ao Japão com 10 anos, estudou no Japão, trabalhou em fábrica e conseguiu dar uma guinada em sua vida, com muito foco e perseverança. Hoje tem a própria empresa no setor de RH especializado em tecnologia.
Por fim, tivemos o presidente do grupo IPC (Globo Internacional), que fez um resumo de tudo o que foi falado e deu a sua opinião.
Foi um evento incrível, com um conteúdo excelente.
Agora, voltando `a informação que pedi para guardar, o seminário para os pais. Pois é, a maioria não apareceu.
Izumo, cidade de Shimane tem mais de 3 mil brasileiros. E estiveram no evento cerca de 40 pessoas, e cadê o resto?
Perceberam o por quê de ainda termos o problema com educação na comunidade brasileira no Japão? Os pais não priorizam a educação dos seus filhos, na verdade nem ligam. E depois sofrem quando o futuro começa a ruir em suas cabeças.
Mas os presentes na palestra, esses sim, são os que vão fazer a diferença na vida dos seus filhos. São aqueles que os filhos serão o topo da pirâmide e aqueles que estão na base, o invejarão.
Infelizmente o topo não é para todos.

Comentários
Loading...