Com desfile, 16º Okinawa Festival supera expectativas

 

Tudo colaborou para que a 16ª edição do Okinawa Festival, realizada, nos dias 4 e 5, no Centro Educacional Esportivo Vicente Ítalo Feola, na Vila Nova Manchester (zona Leste de São Paulo),  pela Associação Okinawa de Vila Carrão e Associação Okinawa Kenjin do Brasil/Centro Cultural Okinawa do Brasil, fosse um sucesso.

Primeiro, o tempo. Como lembrou o presidente da AOVC, Takeyoshi Teruya na segunda-feira, um dia após o mega evento, “choveu até as primeiras horas da madrugada de sábado”. “Saímos do Centro Educacional debaixo de chuva”, conta Teruya. E a chuva, que deu uma trégua no sábado e domingo, voltou na segunda-feira. “São Pedro deve ter dado uma fechada no registro”, disse Teruya, aliviado.

Outra constatação da reportagem do Jornal Nippak foram a pavimentação em frente à arquibancada (em parceria coma Subprefeitura Aricanduva/Formosa/Carrão) e a instalação de banheiros containers ao invés dos banheiros químcos tradicionais. A mudança, que proporcionou mais higiene e conforto para os visitantes, deve permanecer para a próxima edição, conforme antecipou Teruya.

Mas o ponto alto deste ano ficou por conta do Desfile Comemorativo dos 110 Anos da Imigração Okinawana no Brasil – o evento também fez parte das comemorações oficiais dos 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil. Participaram do desfile, cujo ponto de partida foi a sede da AOVC, cerca de 3 mil pessoas distribuídas em 14 alas, entre eles cerca de 250 convidados do exterior, como representantes da Argentina, Bolívia, Peru, Havaí e Los Angeles, além, é claro, da província-mãe Okinawa.

Com o desfile de atletas de karatê, tocadores de taiko, participantes de diversos grupos de danças, miruku e  representantes das subsedes,  o público pode conhecer um pouco mais sobre a peculiar cultura okinawana num grandioso desfile que culminou com a Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé – bicampeã do carnaval paulistano de 2018. “Todos elogiaram a organização”, destaca Teruya, revelando que, para o próximo ano haverá muitas novidades, como no setor de alimentação.

 

Abertura – Depois do desfile, os convidados e o público dirigiram suas atenções para a cerimônia de abertura. Estiveram presentes, além dos convidados de outros países, o cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi, políticos e representantes de diversas entidades nikkeis, como a presidente do Bunkyo), Harumi Goya, o presidente do Enkyo, Akeo Yogui e o presidente da Aliança Cultural Brasil-Japão, Yokio Oshiro, entre outros.

Presidente da Associação Okinawa Kenjin do Brasil, Eiki Shimabukuro destacou a presença de  convidados, que “fortalecem cada vez mais os uchinanchus do mundo todo”. Já Takeyoshi Teruya lembrou que o Okinawa Festival é realizado “graças ao apoio de muitas pessoas” e manifestou sua gratidão a todos que possibilitaram a realização de mais um evento. “Tudo foi feito de coração”, ressaltou Teruya, que destacou também o aspecto social da festa.

 

Princesa Mako – Quem acabou chamando a atenção foi o carismático deputado Mikio Shimoji, que em português, perguntou para o público: “Vocês estão gostando?”. E convidou os presentes para que visitem Okinawa, onde serão muito bem recebidos.

Falando em nome do governador Márcio França, o deputado estadual Pedro Kikudome – ou Pedro Kaká – disse que “uma festa desta magnitude não poderia acontecer sem o esforço de toda a coletividade e, naturalmente, muitas pessoas trabalharam diuturnamente para que ela fosse realizada”.

O cônsul Yasushi Noguchi explicou que, durante a estadia da princesa Mako – que veio ao país para participar das celebrações dos 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil – Sua Alteza Imperial ficou impressionada com a performance do Matsuri Daiko.

Para o deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP), o Okinawa Festival está “totalmente integrado à comunidade local,”. “Claro que a comunidade japonesa – sobretudo a okinawana é muito presente. Nsta festa sentimos a energia da comunidade okinawana na batida dos tambores e nas cores”, disse Ihoshi, afirmando que o encerramento do Desfile Comemorativo com uma escola de samba “simboliza a amizade do Brasil e do Japão”.

 

Especial – Para o deputado estadual Hélio Nishimoto (PSDB), o Okinawa Festival tem uma característa que é comum também aos brasileiros. “O povo okinawano, assim como nós brasileiros, gostamos muito de festas. E eles são muito festivos. E um evento como este, tão bem organizado, faz com que a cada ano atraia mais e mais pessoas. A dimensão que esta festa tomou é algo surpreendente”, disse Nishimoto, acrescentando que “a celebração dos 110 anos tornou o Okinawa Festival ainda mais especial”. “E com a presença de tantas autoridades ficou ainda mais importante para nós”,  concluiu.

(Aldo Shiguti)

 

Comentários
Loading...