Cerimônia no Centro Cultural Okinawa do Brasil=exalta legado deixado pelos pioneiros

Autoridades e convidados participam da tradicional cerimônia do Kagami Biraki
Autoridades e convidados participam da tradicional cerimônia do Kagami Biraki

Realizada pela Associação Okinawa Kenjin do Brasil/Centro Cultural Okinawa do Brasil no último dia 4, no Centro Cultural Okinawa do Brasil, em Diadema (Região do ABCD paulista), como parte da programação dos 110 Anos da Imigração Okinawana no Brasil, a Cerimônia Comemorativa contou com a presença de cerca de 500 pessoas, entre autoridades, associados e convidados do exterior, entre eles da província-mãe, do Havaí, do Peru, da Bolívia e da Argentina.

Presenças do cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi; do deputado federal Walter Ihoshi (PSD-SP), do deputado estadual Hélio Nishimoto (PSDB) e do vereador Aurélio Nomura (PSDB), além de presidentes das principais entidades nikkeis.

Destaque para as homenagens feitas pela AOKB aos Beneméritos, aos Preservadores da Cultura de Okinawa e aos Fujinkais das Subsedes.

A coordenadora da Cerimônia Comemorativa, Ana Maria Tamashiro Higa abriu oficialmente o evento que teve direito a bolo alusivo à data e “Parabéns a você” puxado pelo presidente da Comissão Organizadora, Tério Uehara.

Abrindo a série de discursos, o presidente da AOKB/CCOB, Eiki Shimabukuro, agradeceu a presença dos convidados, em especial os de Okinawa e de outros países, além dos associados, e afirmou que, “quando refletimos sobre a história da imigração, sua luta para vencer as dificuldades, a emoção e os sentimentos de gratidão enchem os nossos corações”. “Muitos dos nossos antepassados tombaram no meio do caminho na tentativa de alcançarem os seus sonhos. Os que sobreviveram, enfrentaram caminhos espinhosos, difícil até de serem descritos através de palavras”.

 

Desafios – Destacou que, “para que possamos recompensar os esforços dos antepassados em nos ensinar o espírito Uchinanchu, torna-se nosso grande desafio e responsabilidade, absorver esse precioso legado e transmitir aos jovens, que serão os responsáveis pela nova fase”.

“E para alcançarmos esse objetivo, é imprescindível a forte conexão com a província-mãe Okinawa, dando continuidade aos programas de bolssas de estudo Kenpi, Junior Study e Shi Cho Son, que fazem com que despertem o espírito Uchinanchu que está adormecido em nossos corações”.

Presidente da Comissão Organizadora dos festejos, Tério Uehara lembrou o quanto foi difícil a trajetória dos pioneiros. “Foram tempos árduos, de difícil assimilação e adaptação. Contando tão somente com a força de seus braços e a vontade de vencer, escreveram páginas memoráveis na história. Deixaram rastros de feitos heroicos que merecem o nosso mais profundo respeito”, destacou Tério, acrescentando que “o suor e as lágrimas desses desbravadores contribuíram decisivamente na formação e no desenvolvimento do nosso caráter, e hoje temos o compromisso de transmitir às novas gerações os valores e princípios que esses pioneiros nos deixaram como legado”.

 

Orgulho – Sempre bem-humorado, o deputado japonês Mikio Shimoji arrancou aplausos dos convidados ao tirar do bolso uma pequena anotação em que trazia escrito, em português, um agradecimento “aos senhores imigrantes uchinanchus”.  “Orgulhoso de ser uchinanchu”, Shimoji disse que passou cerca de uma hora no museu tentando entender por que os imigrantes se esforçaram tanto e chegou a conclusão que “foi por causa da família”. E prometeu se empenhar ainda mais para que as relações Brasil-Japão não sejam “superficiais”.

Já o cônsul Yasushi Noguchi explicou que havia participado, na véspera, da cerimônia na Assembleia Legislativa de São Paulo (leia à página 4) e do Desfile Comemorativo (leia na página 9) na Vila Carrão. “Fiquei impressionado com a cerimônia maravilhosa”, elogiou o cônsul, que reverenciou também o empenho dos pioneiros “por levar adiante a imigração”.

 

Mudanças – Noguchi disse que o Japão está enfrentando “enormes desafios” para superar uma população cada vez mais envelhecida. Explicou que algumas províncias estão obtendo êxito com o turismo, que está trazendo resultados positivos para a economia dos governos locais e prometeu se empenhar para ajudar a desenvolver o turismo em Okinawa divulgando o saquê awamori –  um destilado típico da região – usando para isso as instalações da Japan House São Paulo. Lembrou ainda que Akihito, o atual imperador, vai abdicar do trono no dia 30 de abril de 2019 e que Naruhito, seu filho mais velho, vai sucedê-lo em cerimônia a ser realizada no dia 1º de maio de 2019. E finalizou afirmando que espera a contribuição de todos para o sucesso dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, em 2020.

 

Gratidão – Discursando em nome dos parlamentares, o deputado federal Walter Ihoshi falou sobre sua admiração pelo povo de Okinawa. “Sou filho de japoneses, ou seja, da segunda geração. Meu pai é de Kumamoto, mas meu coração já está em Okinawa. Muitos dos meus amigos que representam essa luta dos pioneiros, que chegaram há 110 anos, encontram-se aqui no dia de hoje. Ao longo desses três dias, juntamente com as autoridades de Okinawa, pude participar de três grandes eventos. O primeiro, na Assembleia Legislativa numa cerimônia organizada pelos parlamentares nikkeis daquela Casa. No sábado, um evento grandioso organizado principalmente pelos okinawanos da segunda e terceira gerações, o Okinawa Festival, que este ano contou com um Desfile Comemorativo.  Já participo há alguns anos daquele evento e sempre me surpreendo com a força da provincia de Okinawa, com suas cores, o taiko vibrante e a energia. Podemos sentir a força da imigração okinawana que, com muita competência e qualidade, vem passando para os seus filhos os valores e a cultura de Okinawa”, destacou Ihoshi, acrescentando que “e hoje, nesta grande comemoração, aprendi que, viver o presente é importante para construir o futuro, mas nós temos que ter gratidão por aqueles que construíram o passado”.

“Hoje nós estamos aqui com o sentimento de gratidão por aqueles que vieram há 110 anos e com muito suor, sofrimento e trabalho criaram e educaram seus filhos, fazendo com que a província de Okinawa pudesse estar aqui no nosso país, contribuindo em vários segimentos ou se não em todos os segmentos da sociedade brasileira”, destacou Walter Ihoshi”.

(Aldo Shiguti)

Comentários
Loading...