CANTO DO BACURI > Francisco Handa

Paulista somos

Viver na periferia
Paulista somos
Tomamos ônibus
Trem e lotação
Vivemos de um ponto
Para o outro
Uma malha que tecemos
Nunca fica pronto.
Somos Penélope.

Paulista somos
Do nordeste distante
Do sul distanciado
Falamos engraçado
Pois falamos todas as línguas
Temos todas as manias
Comemos com hashi
Espaguete à bolonhesa
Comemos também
Comida chinesa.
Somos chineses.

Paulista somos
Somos Macunaíma
Somos qualquer coisa
Pois todas as caras
São caras provisórias
Nesta cidade que muda
A cada instante
Somos a incerteza
De ser apenas um.

As cigarras desgarradas

Por que choram
As cigarras?
Choram pela vida curta
Que têm.

Choram pela vida longa
Que padecerei
Nunca terei certeza.

As cigarras apenas
Choram
Choram pela tarde
Escurecendo.

As medidas desencontradas

Os vencedores
São os iludidos
Os perdedores
Desiludidos.

Mas os que nada tem
Nada tem a perder
Nem precisam ganhar.

Comentários
Loading...