Associação Latino-Americana homenageia kenshuseis

Homenageados com o Prêmio Roque Komatsu (Jiro Mochizuki)
Homenageados com o Prêmio Roque Komatsu (Jiro Mochizuki)

Durante o Bonenkai da Associção Brasileira de Ex-Bolsistas do Gaimusho Kenshusei, realizado no último dia 7, no Centro Cultural Hiroshima do Brasil, no bairro da Liberdade, em São Paulo, a Associação Latino-Americana de Ex-Bolsistas do Gaimusho (Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão (ALAExBG), prestou uma homenagem a três ex-bolsistas com a outorga do Prêmio Desembargador Roque Komatsu, constituído de Diploma e Medalha.

Kihatiro Kita (Jiro Mochizuki)
Kihatiro Kita (Jiro Mochizuki)

O atual presidente da ALAExBG, Kihatiro Kita, conduziu a cerimônia, que contou com a presença da viúva de Roque Komatsu, Regina Komatsu.
Após fazer uma breve apresentação de cada homenageado – Tadayosi Wada, Jo Tatsumi e Armando Kihara – Kita convidou o jurista Kiyoshi Harada para falar sobre o prêmio. Harada, que instituiu a premiação, cumpriu os requisitos regimentais que envolveu, inclusive, um elogio ao patrono deste prêmio. Disse que Roque Komatsu foi bolsista em 1973 e presidente da Associação Brasileira de Ex-Bolsistas no ano de 1984. “Descendente de uma família humilde, o doutor Roque Komatsu prestou concurso para o cargo de juiz de Direito exercendo com zelo e competência as funções de juiz em várias comarcas do Estado de São Paulo até ser promovido à 9ª Vara Cívil da Capital, onde vim a conhecê-lo. Em seguida foi promovido para o Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo e finalmente ao cargo de desembargador do Tribunal de Justiça, cargo em que se aposentou”, disse Harada, lembrando que a última aparição de Roque Komatsu – que veio a falecer em 26 de março de 2012 – no Encontro Latino-Americano foi na 11ª edição, realizada na cidade de Bariloche, onde, no jantar de despedida, recebeu o prêmio de maior pescador – “depois constatamos que o peixe que havia pescado tinha menos de 10 centímetros”.

Kiyoshi Harada (Jiro Mochizuki)
Kiyoshi Harada (Jiro Mochizuki)

Segundo Harada, para Roque Komatsu “não havia dia bom ou dia ruim”. “Todos os dias ele se apresentava radiante, com uma alegria contagiante estampada em seu semblante. Era incapaz de julgar as pessoas, quem quer que seja, bem distinguindo as suas funções judicantes do convivio social com familiares e amigos. Mesmo diante de algumas irreverências, se limitava a dar um largo sorriso, de aprovação ou de reprovação. Era, enfim, uma pessoa de fino trato”, disse Harada, explicando que “sua morte deixou um grande vazio no seio da comunidade nipo-brasileira e, principalmente, uma imensa saudade entre os companheiros kenshuseis”.
Entre as várias homenagens póstumas que lhe foram prestadas, o jurista citou a do 12º Encontro Latino-Americano, oportunidade em que o desembargador Jo Tatsumi prestou suas últimas homenagens, “com palavras candentes e emocionantes”.

Perpétuo – A Associação Brasileira de Ex-Bolsistas do Gaimusho Kenshusei também prestou-lhe homenagem póstuma outorgando-lhe a Medalha Mario Osassa. O Poder Judicário de São Paulo também prestou uma homenagem póstuma, dando ao Fórum de São Roque a denominação de “Fórum Desembargador Roque Komatsu.
“Roque Komatsu deixou um grande legado para todos nós, representado pelo exemplo de sua conduta irrpreensível e pela transmissão de valores éticos, morais, de amizade, de solidariedade e de compreensão. Por tais razões, a Diretoria da Associação Latino-Americana de Ex-Bolsistas do Gaimusho Kenshusei houve por bem institur a medalha, ou seja o Prêmio Roque Komatsu como forma de perpetuar a sua imagem no seio da comunidade latino-americana de ex-bolsistas”, finalizou Kiyoshi Harada.

Comentários
Loading...