A publicação da obra póstuma de Goro Hashimoto=”Plantas Submersas de Sete Quedas”=Centro de Pesquisas de História Natural

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

O Centro de Pesquisas de História Natural de São Paulo, entidade presidida por Patrício Yoshioka, organizou uma festa no salão do próprio Centro – loclaizado no bairro de Itaquera (zona Leste de São Paulo) – para o lançamento do livro da autoria do falecido fundador da instituição, Goro Hashimoto, intitulado “Plantas Submersas de Sete Quedas – Volume 1”. A festa reuniu cerca de 30 associados da instituição e exemplares de cortesia do livro foram entregues para as pessoas que ajudaram, além de contar com a presença de Paulo Matsuda, amigo de  Hashimoto, que contou algumas lembranças do falecido.

Em outubro de 1982, o Salto de Sete Quedas afundou debaixo da água devido à construção da barragem de Itaipu. Desde 1954, espécimes de 1150 plantas nativas das imediações foram coletadas por Hashimoto ao longo de 20 anos. Este livro traz um registro ilustrado criado a partir dessa preciosa coleção de espécimes que não tem mais como serem coletadas.

Em seu discurso, o presidente Yoshioka expressou sua satisfação. “Finalmente conseguimos publicar o livro póstumo do professor. Fico feliz”. E acrescentou que deu um exemplar nas mãos de “Sua Alteza Imperial, princesa Mako, para que fosse entregue para o imperador e para a imperatriz”.

Em seguida, foi a vez de Paulo Matsuda, vindo do Japão especialmente para a ocasião, contar suas lembranças a respeito de Hashimoto. Sorriu, dizendo que “Hashimoto mantinha sempre o olhar de uma criança”, e rememorou a palestra que o amigo deu aos estudantes de pós-graduação que encontraram ao acaso no Jardim Botânico de Nikko, onde a dupla se hospedou na ocasião em que visitavam Nikko Toshogu.

“Era alguém que parecia manter a inocência infantil. Quando o salão (do Centro de História) foi construído, os olhos dele brilhavam enquanto comentava: ‘agora poderei trabalhar sem parar enquanto o meu braço direito conseguir se mexer’. Ele levava na prática a filosofia de ‘trabalhar em prol dos outros’”.

Há 10 anos, Na época em que liderava o Centro, Kenji Koshimura (83 anos, nissei) foi quem lançou o Projeto Icho, o plano para lançar o material póstumo. Seu discurso de felicitação pela realização do projeto que acabou demorando 10 anos foi: “É uma grande alegria. Agradeço a todos os envolvidos”.

Hisako Kawakami (77 anos, Tóquio) que cuida das finanças do Centro explica: “Existiam espécimes que estavam extintos na época da pesquisa. Dizem que algumas espécies vegetais só cresciam em Sete Quedas. É um livro precioso que contém plantas que não poderão mais ser encontrados agora”.

Existem guardados cerca de 150 mil espécies vegetais dentro das 127 bancadas do herbário. Shimbo Yoshimura que se associou recentemente (68 anos, nissei) é um ex-professor universitário da Engenharia Civil. Visitou o Centro a convite de um amigo e se espantou ao ver o grande acervo guardado. Agora está levando adiante um projeto de criação de um banco de dados: “Fiquei emocionado com a quantidade de espécimes preciosos que tem e é preciso torná-los visíveis para as pessoas comuns de fora do Centro”. O número atual de associados é de cerca de 70, e a maioria são idosos de cerca de 60 a 80 anos de idade.

Yoshimura lembra que a Universidade Federal de São Paulo fica a cinco minutos de distância do Centro e diz: “Planejo chamar os jovens universitários para divulgar e trazer dinamismo às atividades”. A tiragem do livro é de 300 exemplares, totalmente em português e contendo nomes científicos. 100 reais o exemplar. Para maiores informações, entrar em contato com o Centro de Pesquisas (11-2522-8299).

(Jornal Nikkey Shimbun)

 

Coluna “Omimi Komimi”

Erica (72 anos, nissei) foi convidada por familiares e participou da festa de lançamento: “Não sabia da existência desse material” e completou “mais pessoas precisam saber da existência disto. É preciso ter mais divulgação para fora para que todos conheçam o trabalho do Sr. Hashimoto”; O Centro de Pesquisas participará da Expo Aflora, a festa das flores de Aru já, que começará a partir de hoje (18 de agosto). O grupo irá expor plantas medicinais e darão explicações e consultorias sobre como cuidar das plantas. Se levar a planta até eles, talvez possa receber uma explicação mais detalhada. O livro também estará à venda. Por que não aproveita para folhear este precioso registro?(Jornal Nikkey Shimbun)

Comentários
Loading...